Logotipo do Museu Nacional de Arqueologia
sobre o MNA agenda faq's   informações
  english | français
laboratório
laboratório
   home  
   o museu
 história
 exposições
 colecções
 visita virtual
   serviços/actividades
 biblioteca
 amigos do MNA
 serviço educativo
 investigadores
 laboratório
 destaques       
 notícias     
 imprensa     
 peça do mês     
 sítio do mês     
 outros sítios     
subscrever mailing list do MNApesquisa geral: mapa do sítio       
    laboratorio@mnarqueologia.dgpc.pt
 
Laboratório

Clique sobre "ver fotografia panorâmica" e visite o espaço laboratório.

 
  Limpeza com micro jacto abrasivo  
Limpeza com micro jacto abrasivo  
  Observação à lupa binocular  
Observação à lupa binocular  
laboratório
  Laboratório de conservação e restauro do
Museu Nacional de Arqueologia
 
   
Mais informação

O laboratório do Museu Nacional de arqueologia tem como principal área de actuação a conservação e restauro de objectos metálicos, cerâmicos, pétreos e orgânicos provenientes de contextos arqueológicos, das colecções do museu e, pontualmente, objectos pertencentes a outros Museus e instituições. Um outro campo de acção e indissociável de todas as outras áreas é a conservação preventiva, essencial para garantir a preservação do espólio.

A filosofia do laboratório está assente no respeito pela perenidade e integridade do objecto regendo-se pelos princípios deontológicos da conservação e restauro.
Para um bom desempenho dos objectivos que propomos, consideramos que o percurso que leva os objectos arqueológicos desde a descoberta até à exposição é longo, e que pelo meio ficam numerosas acções de conservação e restauro, que podem permitir um melhor conhecimento de materiais e técnicas de fabrico. Nenhuma intervenção de conservação e restauro pode ser entendida como um episódio banal na vida de um bem cultural, devendo antes obedecer à seguinte sequência de requisitos:
diagnóstico preliminar do estado do objecto e do seu significado cultural; registo sistemático de todas as acções efectuadas; intervenção mínima, mantendo a integridade original do objecto e justificando sempre a necessidade de adição de novos materiais; conservação preventiva, procurando antecipar futuras situações susceptíveis de provocar efeitos nocivos; visibilidade das intervenções, de tal modo que qualquer reconstituição seja facilmente discernível, sem contudo afectar a interpretação do objecto; reversibilidade das intervenções, garantindo a possibilidade de anulação de acções e remoção dos materiais adicionados, sem prejuízo da integridade original do objecto;
compatibilidade dos materiais utilizados com a natureza físicoquímica e mesmo visual do objecto.

A melhor forma de limitar os riscos inerentes a toda e qualquer intervenção de conservação e restauro é o diálogo interdisciplinar entre todos os especialistas envolvidos, com especial relevo para o conservador restaurador, o conservador de museu e o arqueólogo.


ver exposições
ver colecções

Ficha de Intervenção de Conservação e Restauro [pdf] (126KB )

 
Prato de terra sigillata com gatos em chumbo


Prato de terra sigillata com gatos em chumbo
Tróia

 

 

Faca serrilhada em ferro.
Castro da Cabeça de Vaiamonte

Faca serrilhada em ferro
este sítio foi preparado para ser acessível aos utilizadores com necessidades especiais
DSímbolo de Acessibilidade na Web      
pesquisa geral: mapa do sítio       
Logotipo da direção Geral do Património Cultural
  última actualização: 11/04/2017
próxima actualização: 28/04/2017
 


geral@mnarqueologia.dgpc.pt |