Logotipo do Museu Nacional de Arqueologia
sobre o MNA agenda faq's   informações
  english | français
exposições
exposições
   home  
   o museu
 história
 exposições
 colecções
 visita virtual
   serviços/actividades
 biblioteca
 amigos do MNA
 serviço educativo
 investigadores
 laboratório
 destaques       
 notícias     
 imprensa     
 peça do mês     
 sítio do mês     
 outros sítios     
subscrever mailing list do MNApesquisa geral: mapa do sítio       

exposições permanentes
- Tesouros da Arqueologia Portuguesa
- Antiguidades Egípcias

exposições temporárias
patentes
- Religiões da Lusitânia. Loquuntur saxa.
- Lusitânia dos Flávios. A propósito de Estácio e das Silvas
arquivo

pesquisar exposições
 

geral@mnarqueologia.dgpc.pt

     imagens da exposição




 
Mais informação
 
   Exposição temporária patente   

Lusitânia dos Flávios. A propósito de Estácio e das Silvas

Datas:
17 de Março de 2017 a 1 de Outubro de 2017
Local no MNA:
Átrio do MNA
Organização institucional:
Museu Nacional de Arqueologia, Centro de Estudos Clássicos e UNIARQ-Centro de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
Comissariado científico:
António Carvalho. Director do Museu Nacional de Arqueologia, Carlos Fabião. Director da UNIARQ – Centro de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; Ana Lóio. Investigadora do Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Catarina Viegas, Investigadora da UNIARQ - Centro de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

 Com o anúncio da realização na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa do Seminário Internacional de filologia “Editing and Commenting on the Silvae” organizado pelo Centro de Estudos Clássicos, estava criado o pretexto para realizar, conjuntamente, uma exposição-dossiê no Museu Nacional de Arqueologia que cruzasse a nossa leitura dos cinco livros em verso, as Silvas de Estácio (45-c.95), com os vestígios materiais recolhidos em território nacional que remetem para o tempo da Dinastia Flávia – que agrupa Vespasiano, Tito e Domiciano -, e que reinou em Roma e em todo o Império entre 69 e 96 d.C.

No tempo dos imperadores Flávios (Vespasiano, Tito, Domiciano), no tempo da arrasadora erupção do Vesúvio (79 d.C.), quando Roma era senhora do mundo, viveu o napolitano Estácio. Quis ser, como Vergílio fora no Século de Augusto (I a.C.), o grande poeta do seu tempo. Depois da monumental Tebaida, teve a ousadia de enfrentar Homero ao compor a inacabada (e genial) Aquileida. Entretanto, tomava forma a obra mais surpreendente, diversa de tudo o que havia sido escrito até então: as Silvas. De teor vincadamente panegírico, os poemas assinalam momentos relevantes da vida pública e familiar dos patronos de Estácio, recorrendo às mais invulgares e originais manobras literárias. Os homenageados são figuras endinheiradas de Nápoles e nada menos que o próprio imperador Domiciano, celebrados pelas suas qualidades intelectuais e artísticas e pelo esplendor das suas magníficas villae, descritas – tal o Palácio de Domiciano, no coração de Roma – como moradas quase divinas.

Nas Silvas, a necessidade de homenagear confunde-se com o princípio estético do contraste entre o gigantesco e o minúsculo – e este reflecte-se na poesia como nos trinta metros de altura do palácio de Domiciano, na colossal estátua equestre do imperador, ou no formato mínimo da brilhante estatueta de Hércules, na posse de  um patrono. Fascinante documento da cultura material do século I d.C., as Silvas celebram técnicas e materiais de construção, ambientes de luxo (quantas villae na fabulosa Baía de Nápoles!), preciosos objectos de arte (como o Hércules de Vindex); e, ao celebrarem o temível Domiciano – “senhor e deus”, um “Hércules” fascinado pelo Egipto – as Silvas ajustam-se à dura realidade política que se impunha. Sob a forma de objectos resgatados aos passado, as Silvas de Estácio regressam hoje a um dos rios que imortalizaram: o Tejo de esplendoroso limo.

Assim nasceu o conceito. A exposição construiu-se então a partir de uma selecção de bens arqueológicos das reservas do Museu Nacional de Arqueologia, do Museu da Fundação Cidade da AMMAIA, do Museu de Sines e da Solubema - Empresa Transformadora de Mármores do Alentejo. O corpus da exposição é constituído por 27 peças arqueológicas que, de alguma forma, coincidem cronologicamente com o período dos Flávios. Nem todas, porém, coexistem com esta dinastia nesse curto espaço de 27 anos.

Perante a fonte, desafiámo-nos a tornar tangíveis as palavras, escolhendo os materiais que a pudessem materializar, ilustrar e valorizar, mantendo e alimentando o fio condutor criado.

A relação desta dinastia com a comprovada renovação urbanística das cidades da Lusitânia não foi esquecida na exposição. Tal é sinalizado, designadamente, pela apresentação do togado inacabado proveniente da pedreira romana da Herdade da Vigária (Vila Viçosa), que assim se apresenta pela primeira vez, em Portugal, no lugar certo – ou seja, em ambiente museológico.

Da reserva do Museu Nacional de Arqueologia emerge um conjunto de peças que nos últimos anos não têm estado à vista de todos, e que assim se valorizam, ao mesmo tempo que permitem ao público aperceber-se da dimensão, variedade e importância das colecções do Museu.

Da cidade Romana da AMMAIA vem também um pequeno bronze figurativo de um Hércules, com feições de jovem, e que foi recentemente exumado nas escavações arqueológicas em curso.

Do Museu de Sines junta-se um conjunto de moedas da colecção reunida por José Miguel da Costa.

A exposição oferece, pois, ao visitante, como uma linha condutora, o universo temporal e material do tempo dos Flávios corporizado na temática das Silvas. 

Palavras de agradecimento são devidas a um conjunto de entidades que, correspondendo ao desafio lançado pelo Museu Nacional de Arqueologia e pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa se associaram para levar a bom termo uma ideia. À Fundação Cidade de AMMAIA, à Câmara Municipal de Sines/Museu Municipal de Sines, e à Solubema, entidades emprestadoras que cederam bens arqueológicos. À Lusitania Seguros, mecenas institucional da Direcção-Geral do Património Cultural, que garante os seguros dos bens. À Associação Portuguesa de Controladores de Tráfego Aéreo e ao Sindicato Nacional dos Controladores de Tráfego Aéreo pelo patrocínio dado à exposição.

Informação complementar


Mais informação












este sítio foi preparado para ser acessível aos utilizadores com necessidades especiais
DSímbolo de Acessibilidade na Web      
pesquisa geral: mapa do sítio       
Logotipo da direção Geral do Património Cultural
  última actualização: 11/04/2017
próxima actualização: 28/04/2017
 


geral@mnarqueologia.dgpc.pt |